Pedra sabão, um traço da culinária mineira

Print Friendly, PDF & Email

Post em parceria com Pedro Silva – Portal Pedra Sabão

Tradição
Hoje trago para vocês um pouco sobre a pedra sabão e as suas
raízes fixadas em Minas Gerais. Quando pensamos em Minas, logo vem à
nossa cabeça as famosas montanhas. Nelas estão enraizadas a cultura dos
paneleiros, pois são delas que é extraída a matéria prima dessa rica tradição: a pedra sabão.
A culinária Mineira também é marcada pelas panelas de pedra sabão
que são utilizadas tradicionalmente na região dos inconfidentes há mais de 300 anos. Os utensílios feitos de pedra sabão na maioria das vezes são feitos de maneira artesanal. Os artesões responsáveis por fabricarem as peças são chamados de paneleiros. Por causa desses fatos, a confecção artesanal de fôrmas, panelas e outros utensílios feitos de pedra sabão, adquiriram o status de patrimônio imaterial do município de Mariana no ano de 2015.

Em Minas, uma peça de pedra pode significar recordação e conservação da tradição. Algumas peças são passadas de geração em geração, fazendo com que o simples ato de cozinhar, rememore momentos únicos.

Características

            As peças de pedra sabão possuem a característica de conseguirem reter uma grande quantidade de calor, e aos poucos ir liberando-o. As peças de pedra sabão também podem ser utilizadas de diversas maneiras, como é o caso da frigideira de pedra, que além de sua função de frigideira e panela, também pode ser levada ao forno para fazer assados e pães.

Antes do primeiro uso é necessário realizar o processo de cura, que consiste em passar óleo na superfície da panela e leva-la ao forno. Mas, também existem outros modos de realizá-la, como faziam os antigos, que ao invés de leva-la ao forno expunham a peça ao sol.

Assim, a arte de fazer panelas e utensílios de pedra sabão constitui um conhecimento popular, que foi transmitido ao longo dos séculos através das gerações até os dias atuais.

Para estrear a minha panela, preparei um cozido. Não tenho as medidas exatas para passar, mas vou contar o que eu usei e como eu fiz.

Comecei com um pré-cozimento na panela de pressão de dois ingredientes: a carne seca (já dessalgada) por 25 minutos e a mandioca por 5 minutos.

Na panela de pedra sabão, fritei cebola, alho, paio e costelinha de porco defumada. Acrescentei batata doce, cenoura, abóbora cabotiá picados grosseiramente e milho verde. Por último coloquei a mandioca e a carne seca. Cobri com água e deixei cozinhando em fogo baixo com a panela tampada. Fui acrescentando água aos poucos durante o cozimento. Ficou 40 minutos no fogo. Foi o suficiente para a costelinha cozinhar (usei uns pedaços pequenos e não eram muito grossos). A abóbora desmanchou e deixou um caldo grosso e muito saboroso. Temperei com sal e pimenta.

Essa foi a primeira vez que fui para cozinha fazer um cozido.  Eu tava com muita vontade de comer, mas tinha um pouco de pressa também. E acabei fazendo dessa forma. Ficou muito maravilhoso! E a panela é ótima! Depois que esquenta, ela mantém muito o calor. Achei perfeita!

No Comments

Leave a Comment

*